Sexta-feira, 5 de Dezembro de 2003
Jorge Luís Borges

«(...) O tempo é um problema para nós, um  tremendo e exigente problema,
porventura o mais vital da metafísica; a eternidade, um jogo ou uma fatigada esperança.

Lemos no Timeu que o tempo é uma imagem móvel da eternidade;
e isso é apenas um registo que a ninguém distrai da convicção de
que a eternidade é uma substância feita com a eternidade do tempo.

(...) É impossível aqui uma discussão prolixa do sistema platónico,
mas não certas advertências de intenção propedêutica.

Para nós, a última e firme realidade das coisas é a matéria — os electrões giratórios
que percorrem distâncias estelares na solidão dos átomos;
para os capazes de platonizar é a espécie, a forma. (...)
Vamos formulá-la [a tese platónica] assim:


«Os indivíduos e as coisas existem enquanto participam da espécie
que os inclui, que é a sua realidade permanente.»

(...) Schopenhauer, o apaixonado e lúcido Schopenhauer, dá uma razão:
a pura actualidade em que vivem os animais ( ...)
E acrescenta logo, não sem um sorriso:

«Quem me ouvir assegurar que o gato cinzento que está a brincar no pátio
é o mesmo que brincava e fazia travessuras há quinhentos anos, pensará de mim
o que quiser, mas loucura mais estranha é imaginar que fundamentalmente é outro.»

E a seguir: «Destino e vida de leões requer a leonidade que, considerada no tempo,
é um leão imortal que se mantém por meio da infinita reposição dos indivíduos,
cuja geração e cuja morte formam o pulso desta imperecível figura.» (...)

Presumo que a eterna Leonidade pode ser aprovada pelo meu leitor,
que sentirá um alívio majestoso perante esse único Leão,
multiplicado nos espelhos do tempo. (...);


formas universais muito mais árduas nos propõe Platão.

Por exemplo, a Mesidade, ou Mesa Inteligível que está nos céus:
arquétipo quadrúpede que perseguem, condenados ao devaneio e à frustração,
todos os marceneiros do mundo.

(Não posso negá-la completamente: sem uma mesa ideal,
nunca poderíamos ter chegado a mesas concretas.)

Por exemplo, a Triangularidade: eminente polígono de três lados
que não está no espaço e que não quer rebaixar-se à condição de
equilátero, escaleno ou isósceles.
(Também não o repudio; é o dos manuais de geometria.)

Por exemplo: a Necessidade, a Razão, a Preterição, a Relação, a Consideração,
o Tamanho, a Ordem, a Lentidão, a Posição, a Declaração, a Desordem.

Destas comodidades do pensamento elevadas a formas já não sei o que julgar;
(...) Já me esquecia de outro arquétipo que os compreende a todos e os exalta:
a Eternidade, cuja fragmenta cópia é o tempo.


Ignoro se o meu leitor precisa de argumentos para descrer da doutrina platónica.
Posso fornecer-lhe muitos: um, a incompatível agregação de termos genéricos e
de termos abstractos que coabitam sans gêne na dotação do mundo arquétipo;
outro, a reserva do seu inventor sobre o procedimento que usam as coisas
para participar nas formas universais; outro, a conjectura de que esses
mesmos arquétipos assépticos padecem de mistura e variedade.
Não são irresolúveis: são tão confusos como as criaturas do tempo.
Fabricados à imagem das criaturas, repetem essas próprias anomalias
que pretendem resolver. A Leonidade, digamos, como prescindiria
da Soberba e da Rubidez, da Jubidade e da Garridade?

Para esta pergunta não há resposta nem pode haver:
não esperemos do termo leonidade uma virtude
muito superior à que tem esta palavra sem o sufixo.(Vide Nota* )


(...)Temos até aqui, na sua ordem cronológica, a história geral da eternidade.
Das eternidades melhor dizendo, visto que o desejo humano
sonhou dois sonhos sucessivos e hostis com esse nome:

um, o realista,
que anseia com estranho amor os quietos arquétipos das criaturas;

outro, nominalista,  que nega a verdade dos arquétipos e pretende
congregar num segundo os pormenores do universo.

Aquele baseia-se no realismo, doutrina tão afastada do nosso ser
que descreio de todas as interpretações, inclusivamente da minha;

este no que determina o seu conteúdo, o nominalismo,
que afirma a verdade dos indivíduos e o convencional dos géneros.

Agora, semelhantes ao espontâneo e palerma prosista da comédia,
todos fazemos nominalismo sans le savoir: é como uma premissa
geral do nosso pensamento, um axioma adquirido.
Daí a inutilidade de comentá-lo


(Nota*): Não quero despedir-me do platonismo ( )
sem comunicar esta observação com a esperança
de que a prossigam e justifiquem:

«O genérico pode ser mais intenso que o concreto.»
( ) O genérico (o repetido nome, o tipo, a pátria, o destino admirável que lhe atribui)
tem prioridade sobre os aspectos individuais, «que se toleram graças ao anterior».

O exemplo extremo, o de quem se apaixona pelo que ouve dizer,
é muito comum nas literaturas persa e árabe.

Ouvir a descrição de uma rainha — os cabelos semelhantes às noites
da separação e da emigração, mas o rosto como o dia da delícia,
os peitos como esferas de marfim que dão luz às luas,
o andar que envergonha os antílopes e
provoca o desepero dos salgueiros,
as avultadas ancas que a impedem de se manter de pé,
os pés estreitos como a ponta de uma lança — e
apaixonar-se por ela até à palidez e à morte
é um dos temas tradicionais em As Mil Uma Noites. ...)

(JL Borges, in História da Eternidade, p. 365-380;  ‘A doutrina dos ciclos’, p. 399-406; e ‘O tempo circular’, 47-410; in Obras Completas, Vol. I, Círculo de Leitores, 1998)

 


tags:

publicado por vbm às 19:50
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

Jorge Luís Borges

arquivos

Setembro 2015

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

tags

albert jacquard

ana de sousa

ana hatherly

ar rosa

astronomia

ayer

davidson

deleuze

dostoiévski

espinosa

eugénio de andrade

fiama

fotografia

françois miterrand

frege

gerard de constanze

gonzalo torriente ballester

hobbes

homero

hume

imagens

jl borges

khalil gibran

kripke

leibniz

maquiavel

nietzsche

pascal & espinosa

paul auster

paul valéry

peirce

philo-vídeos

platão

política

putnam

quine

rawls

russell

samuel beckett

sandra costa

scarlett johansson

searle

sophia de mello breyner

villaret

virgínia woolf

wittgenstein

todas as tags

favoritos

...

links
Míope, logo táctil. Gosto de ler e conversar, q.b. «Nada convem mais ao homem do que o seu semelhante.» Vasco
blogs SAPO
subscrever feeds