Segunda-feira, 23 de Abril de 2007
Peirce # 39

«A questão seguinte é se temos concepções gerais para além das dadas nos juízos.

Na percepção, onde conhecemos uma coisa enquanto existente, é certo que há um juízo de que a coisa existe, uma vez que o mero conceito geral de uma coisa nunca é a cognição da coisa como existente. Contudo, tem-se usualmente afirmado que podemos trazer à mente um qualquer conceito sem por isso produzir um juízo; Mas parece que, nesse caso, supomos arbitrariamente que temos uma experiência. (…) O que passa por associação de imagens é na realidade uma associação de juízos. Diz-se que a associação de ideias procede de acordo com três princípios: semelhança, contiguidade e causalidade. Não pode haver dúvida que qualquer coisa é um signo do que quer que esteja associado com ela por semelhança, por contiguidade ou por causalidade; nem pode haver dúvida de que cada signo apela à coisa significada. Portanto, a associação consiste num juízo ocasionar um outro juízo do qual ele é um signo. Ora, isto não é mais nem menos do que inferência.


tags:

publicado por vbm às 12:39
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 9 de Abril de 2007
Peirce # 38

( ) O argumento conclusivo contra a realidade das imagens, ou existência na percepção de representações absolutamente determinadas, é que se esse fosse o caso teríamos em cada uma dessas representações os materiais para uma quantidade infinita de cognição consciente de que, no entanto, nunca nos damos conta. ( ) O mais que pode ser dito é que, quando vemos, somos colocados numa condição na qual somos capazes de obter uma quantidade muito grande, e talvez indefinida, de conhecimento acerca das qualidades visíveis dos objectos.»

 

«( ) que as percepções não são absolutamente determinadas e singulares é óbvio dado o facto de cada sentido ser um mecanismo de abstracção. Por si mesma, a visão apenas nos informa acerca de cores e formas. Ninguém pode pretender que as imagens da visão são determinadas no que se refere, p.e., ao gosto. Elas são portanto gerais: as imagens da visão não são nem doces nem não doces, amargas ou não amargas, saborosas ou insípidas.»

 

Machuco Rosa comenta (nota 30) que «generalidade é aqui identificada com indeterminação. Uma proposição é indeterminada se o princípio do terceiro excluído não se lhe aplica imediatamente. Ele apenas lhe pode ser aplicado por sucessivas determinações ou especificações». Peirce nega a realidade do «átomo lógico» e o argumento cognitivo contra as «imagens singulares» apoia-se no princípio de continuidade que «desempenha sempre um papel crucial na crítica aos nominalistas».

 

(C. S. Peirce, Op. cit., p. 49- 53)


tags:

publicado por vbm às 21:31
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 6 de Abril de 2007
Peirce # 37

Assim sendo, parece seguir-se que nenhum homem tem a verdadeira imagem do caminho para o seu escritório, ou de qualquer outra coisa real. Na verdade, ele não teria de todo uma qualquer imagem desse caminho, a menos que conseguisse não apenas reconhecê-lo mas que também o imaginasse ( ) em todos os seus infinitos detalhes.

 

( ) [Ora,] é importante lembrar que nós não temos o poder intuitivo para distinguir entre um modo subjectivo de cognição e um outro; ( ), pensamos muitas vezes que uma coisa nos é apresentada como uma imagem quando ela é realmente construída pelo entendimento a partir de pequenos dados. ( )

 

Vou agora mesmo ao ponto de dizer que não temos quaisquer imagens, nem mesmo na percepção actual. ( ) supor que nós temos uma imagem à nossa frente quando nós vemos é não só uma hipótese que não explica seja o que for como ainda cria dificuldades que requerem novas hipóteses a fim de as explicar completamente.


tags:

publicado por vbm às 19:30
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

...

...

Pascal & Espinosa # 2

Pascal & Espinosa # 1

...

Espinosa # 55

Espinosa # 54

Espinosa # 53

Espinosa # 52

Espinosa # 51

...

Espinosa # 50

Espinosa # 49

Espinosa # 48

Espinosa # 47

Espinosa # 46

...

A Caverna de Platão

Wittgenstein: Philosophic...

Ayer on Frege and Russell

arquivos

Setembro 2015

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

tags

albert jacquard

ana de sousa

ana hatherly

ar rosa

astronomia

ayer

davidson

deleuze

dostoiévski

espinosa

eugénio de andrade

fiama

fotografia

françois miterrand

frege

gerard de constanze

gonzalo torriente ballester

hobbes

homero

hume

imagens

jl borges

khalil gibran

kripke

leibniz

maquiavel

nietzsche

pascal & espinosa

paul auster

paul valéry

peirce

philo-vídeos

platão

política

putnam

quine

rawls

russell

samuel beckett

sandra costa

scarlett johansson

searle

sophia de mello breyner

villaret

virgínia woolf

wittgenstein

todas as tags

favoritos

...

links
Míope, logo táctil. Gosto de ler e conversar, q.b. «Nada convem mais ao homem do que o seu semelhante.» Vasco
blogs SAPO
subscrever feeds