Terça-feira, 27 de Março de 2007
Peirce # 36

«Vimos pois que todos os tipos de modificações da consciênciaatenção, sensação e entendimento — são uma inferência. Mas pode objectar-se que uma inferência lida apenas com termos gerais e que portanto uma imagem, ou uma representação absolutamente singular, não pode ser inferida.»

 

Locke nega que a «ideia» de um triângulo tenha de ser ou a de um triângulo obtusângulo, ou a de um triângulo rectângulo, ou a de um triângulo acutângulo. Embora, de facto, a imagem de um triângulo tem de ser a de um em que cada ângulo mede um número certo de graus, minutos e segundos, como defendem Berkeley e quase todos os nominalistas, segundo os quais «apenas as realidades absolutamente determinadas (os singulares) existem na percepção — o que, por sua vez, reenvia a um indivíduo último e dado em absoluto.» (nota 27)


tags:

publicado por vbm às 14:07
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 22 de Março de 2007
Peirce # 35

«A atenção desperta quando o mesmo fenómeno se apresenta a si próprio repetidamente em diferentes ocasiões, ou quando o mesmo predicado aparece ligado a diferentes sujeitos. Vemos que A tem um certo carácter, que B tem o mesmo, que C tem o mesmo; isso excita a nossa atenção, de tal modo que dizemos: «Estes têm este carácter.» Portanto, a atenção é um acto de indução; mas é uma indução que não faz aumentar o nosso conhecimento, porque o nosso «estes» não cobre senão as instâncias [exemplificações] daquela experiência. É, em resumo, um argumento por enumeração

 

A atenção produz efeitos sobre o sistema nervoso. Esses efeitos são hábitos, associações nervosas. Um hábito surge quando, tendo tido a sensação de executar um certo acto, m, em diferentes ocasiões, a, b, c, nós passamos a executá-lo em qualquer ocorrência do acontecimento geral l, do qual a, b, c são casos especiais. Isto é, pela cognição de que se qualquer caso de a, b ou c é um caso de m, é determinada a cognição que qualquer caso de l é um caso de m.

 

Logo, a formação de um hábito é uma indução, estando portanto necessariamente ligada à atenção ou abstracção. As acções voluntárias resultam de sensações produzidas por hábitos, tal como as nossas acções instintivas resultam da nossa natureza originária.»

 

(Charles Sanders Peirce, Op. cit., p. 48-49)

 


tags:

publicado por vbm às 19:27
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 17 de Março de 2007
Peirce # 34

«Constatamos pois que a atenção produz de facto um efeito muito grande sobre o pensamento subsequente. Em primeiro lugar, afecta fortemente a memória, um pensamento sendo recordado durante um tempo tanto maior quanto maior tiver sido a atenção que originalmente lhe foi prestada. Em segundo lugar, quanto maior a atenção, mais estreita a conexão e mais precisa a sequência lógica do pensamento. Em terceiro lugar, um pensamento que tenha sido esquecido pode ser recuperado pela atenção. Destes factos retiramos que a atenção é o poder pelo qual o pensamento em um momento é ligado e feito relacionar-se com o pensamento em outro momento; Ou, utilizando a concepção do pensamento como um signo, ela é a pura aplicação demonstrativa de um signo-pensamento.»

 

(Charles Sanders Peirce, Op. cit., p. 48)


tags:

publicado por vbm às 19:10
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

...

...

Pascal & Espinosa # 2

Pascal & Espinosa # 1

...

Espinosa # 55

Espinosa # 54

Espinosa # 53

Espinosa # 52

Espinosa # 51

...

Espinosa # 50

Espinosa # 49

Espinosa # 48

Espinosa # 47

Espinosa # 46

...

A Caverna de Platão

Wittgenstein: Philosophic...

Ayer on Frege and Russell

arquivos

Setembro 2015

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

tags

albert jacquard

ana de sousa

ana hatherly

ar rosa

astronomia

ayer

davidson

deleuze

dostoiévski

espinosa

eugénio de andrade

fiama

fotografia

françois miterrand

frege

gerard de constanze

gonzalo torriente ballester

hobbes

homero

hume

imagens

jl borges

khalil gibran

kripke

leibniz

maquiavel

nietzsche

pascal & espinosa

paul auster

paul valéry

peirce

philo-vídeos

platão

política

putnam

quine

rawls

russell

samuel beckett

sandra costa

scarlett johansson

searle

sophia de mello breyner

villaret

virgínia woolf

wittgenstein

todas as tags

favoritos

...

links
Míope, logo táctil. Gosto de ler e conversar, q.b. «Nada convem mais ao homem do que o seu semelhante.» Vasco
blogs SAPO
subscrever feeds