Sexta-feira, 23 de Fevereiro de 2007
Peirce # 33

«A sensação e o poder de abstracção ou atenção podem ser vistos, num certo sentido, como os únicos constituintes de todo o pensamento. ( ) Através da força da atenção, é colocada ênfase num dos elementos objectivos da consciência. Esta ênfase não é, portanto, ela própria um objecto da consciência imediata; sob esse aspecto ela difere inteiramente de um sentimento. Logo, uma vez que apesar de tudo, a ênfase consiste num efeito sobre a consciência, ela só pode existir na medida em que afecta o nosso conhecimento; e uma vez que um acto não pode ser suposto determinar aquilo que o precede no tempo, esse acto só pode consistir na capacidade que a cognição enfatizada tem em produzir um efeito sobre a memória, ou de qualquer outro modo influenciar o pensamento subsequente. Isto é confirmado pelo facto de a atenção ser uma espécie de quantidade contínua; e a quantidade contínua, tanto quanto sabemos, reduz-se a si própria, em última análise ao tempo

 

(Charles Sanders Peirce, Op. cit., p. 48)


tags:

publicado por vbm às 18:37
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 13 de Fevereiro de 2007
Peirce # 32

Não obtemos o conceito de ser, no sentido implicado na cópula, observando que todas as coisas sobre as quais podemos pensar têm qualquer coisa em comum, uma vez que não existe tal coisa para ser observada.

Obtemo-lo reflectindo sobre signos - palavras ou pensamentos; observamos que diferentes predicados podem ser ligados ao mesmo sujeito, e que cada um torna um conceito aplicável ao objecto; imaginamos depois que alguma coisa é verdadeira acerca do sujeito apenas porque este tem um predicado (não importa qual) que lhe está ligado - e a isso chamamos ser.

O conceito de ser é, portanto, um conceito acerca de um signo - acerca de um pensamento ou acerca de uma palavra; e uma vez que não é aplicado a todos os signos ele não é primariamente universal, embora o seja na sua aplicação mediata às coisas;

é portanto possível definir o conceito de ser; pode ser definido, por exemplo, como aquilo que é comum aos objectos incluídos em qualquer classe, ou ainda como aquilo que é comum aos objectos não incluídos na mesma classe.»

(Charles Sanders Peirce, Op. cit., p. 47)


tags:

publicado por vbm às 21:16
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
|

Domingo, 11 de Fevereiro de 2007
Peirce # 31
«Isto é muito diferente da doutrina comum, de acordo com a qual as mais altas e mais metafísicas concepções são absolutamente simples. Perguntar-me-ão como é que uma concepção como ser deve ser analisada ( )

Ora, admitirei imediatamente que nenhuma dessas concepções pode ser separada em duas outras maiores do que ela[s] própria[s] (...), Mas, embora esses conceitos não possam ser definidos por género e diferença, há uma outra via pela qual podem ser definidos.

Toda a determinação é por negação; podemos começar por reconhecer qualquer caracter comparando um objecto que o possua comparando-o com um outro objecto que não o possua. Portanto, um conceito perfeitamente universal sob todos os aspectos seria irreconhecível e impossível.


tags:

publicado por vbm às 17:17
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 10 de Fevereiro de 2007
Peirce # 30

«As sensações propriamente ditas e as emoções distinguem-se do sentimento de um pensamento porque a qualidade material é nelas proeminente e o pensamento não tem qualquer relação de razão com os pensamentos que o determinam; essa relação já existe nestes últimos, fazendo diminuir a atenção dada ao mero sentimento.

 

Quando digo não haver qualquer relação de razão com os pensamentos que o determinam quero dizer que não há nada no conteúdo do pensamento que explique por que é que ele deva surgir apenas por ocasião desses pensamentos determinantes.

 

Se há uma tal relação de razão, se o pensamento é essencialmente limitado na sua aplicação a esses objectos, então o pensamento compreende um outro pensamento que não ele próprio.

 

Um pensamento não complexo pode, portanto, ser apenas uma sensação ou emoção, não possuindo carácter racional.»

 

(Charles Sanders Peirce, Op. cit., p. 47)


tags:

publicado por vbm às 12:21
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

...

...

Pascal & Espinosa # 2

Pascal & Espinosa # 1

...

Espinosa # 55

Espinosa # 54

Espinosa # 53

Espinosa # 52

Espinosa # 51

...

Espinosa # 50

Espinosa # 49

Espinosa # 48

Espinosa # 47

Espinosa # 46

...

A Caverna de Platão

Wittgenstein: Philosophic...

Ayer on Frege and Russell

arquivos

Setembro 2015

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

tags

albert jacquard

ana de sousa

ana hatherly

ar rosa

astronomia

ayer

davidson

deleuze

dostoiévski

espinosa

eugénio de andrade

fiama

fotografia

françois miterrand

frege

gerard de constanze

gonzalo torriente ballester

hobbes

homero

hume

imagens

jl borges

khalil gibran

kripke

leibniz

maquiavel

nietzsche

pascal & espinosa

paul auster

paul valéry

peirce

philo-vídeos

platão

política

putnam

quine

rawls

russell

samuel beckett

sandra costa

scarlett johansson

searle

sophia de mello breyner

villaret

virgínia woolf

wittgenstein

todas as tags

favoritos

...

links
Míope, logo táctil. Gosto de ler e conversar, q.b. «Nada convem mais ao homem do que o seu semelhante.» Vasco
blogs SAPO
subscrever feeds