Sábado, 26 de Agosto de 2006
Peirce # 9
«Todo o raciocínio válido tem, por conseguinte, uma forma geral; e ao procurar reduzir toda a acção mental à fórmula de inferência válida procuramos reduzi-la a um tipo único.»
 
Diz Machuco Rosa: «Dedução, indução e hipótese podem ser reduzidas a um tipo geral, aquele que é exibido directamente pelo princípio de substituição. A totalidade da acção mental ser-lhe-á então também redutível. Cada «posição da mente» será uma representação, sendo as relações lógicas que governam essas representações — essencialmente apenas uma, como se viu — que determinarão o processo do pensamento.» (n. 17)

tags:

publicado por vbm às 14:24
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 23 de Agosto de 2006
Peirce # 8
Em síntese,
 
Mudança de sujeito: conclusão: S é P,
premissa 1: M é P —> premissa 2: Todo o S é P.
Mudança de predicado: conclusão: S é P,
premissa 1: S é M —> premissa 2: Todo o M é P.
 
Em qualquer destes dois casos, seja a mudança no sujeito ou no predicado,
o silogismo formula-se na expressão final:
premissa 1: (Todo o) S é M;
premissa 2: (Todo o) M é P;
Logo, S é P.
 
Por último, no caso de a conclusão diferir das suas premissas quer no sujeito quer no predicado, o argumento deve enunciar-se de modo a que
premissas e conclusão tenham um termo comum:
premissa 1: <O estado de coisas representado em P é real>;
conclusão: <O estado de coisas representado em C é real.>.
Nesta situação, a outra premissa deve sustentar
que <todo o estado de coisas representado por C
é o estado de coisas representado por P.>

tags:

publicado por vbm às 20:02
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 15 de Agosto de 2006
Peirce # 7
Por fim, há argumentos a partir da analogia que deriva a sua validade da «combinação das características da indução e da hipótese — um raciocínio de ‘particulares a particulares’ — que pode analisar-se «ou na combinação da dedução e da indução, ou então na combinação da dedução e da hipótese».
 
 
Embora a inferência válida tenha três espécies essencialmente diferentes — raciocínio dedutivo, indutivo ou hipotético — ele pertence a um género.
 
«Vimos que qualquer conclusão válida pode obter-se por sucessões de argumentos possuindo cada um duas premissas e não tendo implícitos factos não asseridos. Qualquer destas premissas é uma proposição afirmando que certos objectos têm certos caracteres. Cada termo dessas proposições representa ou certos objectos ou certos caracteres. A conclusão pode ser vista como uma proposição que substitui qualquer das premissas, sendo a substituição justificada pelo facto enunciado na outra premissa. A conclusão é portanto derivada de qualquer das premissas pela substituição quer do sujeito da premissa por um novo sujeito, quer do seu predicado por um novo predicado, ou ainda pela substituição de ambos. Ora, a substituição de um termo por outro só pode justificar-se quando o termo que substitui representa apenas o que é representado no termo substituído

tags:

publicado por vbm às 15:31
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 13 de Agosto de 2006
Peirce # 6
«Todo o raciocínio válido é dedutivo, indutivo ou hipotético.»
Examinemos de perto a hipótese e a indução.
 
Na indução, assume-se que todos os membros ou exemplares de uma classe ou agregado têm todos os caracteres que se conhecem serem comuns a alguns membros dessa classe; por outras palavras, assume-se que «é verdade da totalidade de uma colecção o que é verdade de um certo número de amostras que dela retirámos aleatoriamente». É um argumento estatístico.
 
Para Aristóteles, a indução infere a premissa maior de um silogismo a partir da sua premissa menor e da sua conclusão. Assim, substitui «um conjunto de objectos por um único que os inclua a eles e a um número indefinido de outros». É uma das formas de «redução da multiplicidade à unidade».
 
Uma hipótese pode definir-se como um argumento que procede de assumir que um carácter — que se sabe envolver uma série de outros — pode provavelmente predicar-se de qualquer objecto que tenha esses caracteres.
 
A hipótese infere assim a premissa menor a partir da conclusão e da premissa maior. A sua função consiste na «substituição de um certo número de predicados, não possuindo entre si qualquer unidade, por um único predicado» ou um número menor deles, que os une a todos, podendo eventualmente acompanhar-se de um número indefinido de outros. A hipótese é assim igualmente uma «redução da multiplicidade à unidade».

tags:

publicado por vbm às 18:27
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

...

...

Pascal & Espinosa # 2

Pascal & Espinosa # 1

...

Espinosa # 55

Espinosa # 54

Espinosa # 53

Espinosa # 52

Espinosa # 51

...

Espinosa # 50

Espinosa # 49

Espinosa # 48

Espinosa # 47

Espinosa # 46

...

A Caverna de Platão

Wittgenstein: Philosophic...

Ayer on Frege and Russell

arquivos

Setembro 2015

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

tags

albert jacquard

ana de sousa

ana hatherly

ar rosa

astronomia

ayer

davidson

deleuze

dostoiévski

espinosa

eugénio de andrade

fiama

fotografia

françois miterrand

frege

gerard de constanze

gonzalo torriente ballester

hobbes

homero

hume

imagens

jl borges

khalil gibran

kripke

leibniz

maquiavel

nietzsche

pascal & espinosa

paul auster

paul valéry

peirce

philo-vídeos

platão

política

putnam

quine

rawls

russell

samuel beckett

sandra costa

scarlett johansson

searle

sophia de mello breyner

villaret

virgínia woolf

wittgenstein

todas as tags

favoritos

...

links
Míope, logo táctil. Gosto de ler e conversar, q.b. «Nada convem mais ao homem do que o seu semelhante.» Vasco
blogs SAPO
subscrever feeds