Segunda-feira, 24 de Julho de 2006
Peirce # 5

Um silogismo é ou apodíctico ou provável.

 

«Um silogismo apodíctico ou dedutivo é aquela cuja validade depende incondicionalmente da relação entre o facto inferido e os factos enunciados nas premissas.»

 

Já um silogismo «cuja validade dependa parcialmente da não existência de qualquer outro conhecimento é um silogismo provável.» Neste, a questão consiste em

 

— saber se certos objectos possuem certos caracteres. Se o ignoramos, o silogismo provável configura a questão em «saber se, para além dos objectos que, segundo as premissas, possuem certos caracteres outros também os possuem»;

 

— ou então consiste em saber se, «para além dos caracteres que, segundo as premissas, pertencem a certos objectos, existem outros caracteres, não necessariamente envolvidos nos anteriores, que pertencem aos mesmos objectos.»

 

No primeiro caso, o raciocínio procede como se todos os objectos que possuem certos caracteres fossem conhecidos, e isto é indução;

 

No segundo caso, a inferência procede como se todos os caracteres requeridos para a determinação de um certo objecto ou classe fossem conhecidos, e isto é a hipótese

 


tags:

publicado por vbm às 21:46
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 5 de Julho de 2006
Peirce # 4

Mas será «um facto que a mente opera pelo processo silogístico?» É duvidoso que uma conclusão «desaloje repentinamente duas premissas que também estavam presentes na mente». Mas é de experiência constante que «se um homem é levado a acreditar nas premissas, ( ) então ele estará também pronto a agir a partir da conclusão e a dizer que ela é verdadeira. Existe pois algo no organismo que é equivalente ao processo silogístico.»

 

Diz Machuco Rosa: «Segundo o ponto de vista assumido [por Peirce] em 1868, a lógica não possui apenas um conteúdo normativo e ideal. Ela governa também os actos mentais, determina a estrutura geral da acção e encarna-se num animal enquanto realidade neurobiológica.» (n.12)


tags:

publicado por vbm às 09:29
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 3 de Julho de 2006
Peirce # 3

Ora, a «classe de modificações da consciência» que prioritariamente devemos inquirir — dado que, por hipótese, o conhecimento vem de fora — será a que, de «muito perto», siga os factos externos. Ou seja, tal classe deve ser algum tipo de cognição.

 

Admitindo, agora, a 2ª proposição — «cada cognição é determinada por cognições prévias, nenhuma havendo que possa tomar-se como a primeira de qualquer objecto» — o que deverá examinar-se é um processo de cognição que «de mais perto» siga os factos externos.

 

Tal é, o processo de inferência válida o qual «procede da sua premissa A, para a sua conclusão, B, se, de facto, uma proposição como B é sempre ou usualmente verdadeira quando uma proposição como A é verdadeira.»

 

O processo de inferência válida é, portanto, uma consequência das duas primeiras incapacidades, que estamos a delinear.

 


tags:

publicado por vbm às 09:07
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 2 de Julho de 2006
Peirce # 2

Eis a primeira e a segunda das quatro proposições:

«1. Não temos nenhum poder de introspecção; pelo contrário, todo o conhecimento do mundo interno é derivado por raciocínio hipotético a partir do nosso conhecimento de factos externos;

2. Não temos nenhum poder de intuição, pois cada cognição é determinada logicamente por cognições prévias»

 

 

Aceitemos a primeira. Isso obrigar-nos-á a pôr de lado quaisquer preconceitos de conhecimento do mundo externo baseado na auto-consciência. Nada devemos asserir sobre o que se passa ‘dentro de nós’, salvo como hipótese necessária para explicar o que acontece no mundo exterior.

 

Assim, se assumirmos uma faculdade ou modo de acção da mente para explicar o que acontece no mundo externo, então não devemos adoptar qualquer outra hipótese de explicar um facto que possa explicar-se por essa faculdade da mente. «Tanto quanto pudermos, sem usar hipóteses adicionais, devemos reduzir todas as espécies de acção mental a um tipo geral.»


tags:

publicado por vbm às 10:32
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

...

...

Pascal & Espinosa # 2

Pascal & Espinosa # 1

...

Espinosa # 55

Espinosa # 54

Espinosa # 53

Espinosa # 52

Espinosa # 51

...

Espinosa # 50

Espinosa # 49

Espinosa # 48

Espinosa # 47

Espinosa # 46

...

A Caverna de Platão

Wittgenstein: Philosophic...

Ayer on Frege and Russell

arquivos

Setembro 2015

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

tags

albert jacquard

ana de sousa

ana hatherly

ar rosa

astronomia

ayer

davidson

deleuze

dostoiévski

espinosa

eugénio de andrade

fiama

fotografia

françois miterrand

frege

gerard de constanze

gonzalo torriente ballester

hobbes

homero

hume

imagens

jl borges

khalil gibran

kripke

leibniz

maquiavel

nietzsche

pascal & espinosa

paul auster

paul valéry

peirce

philo-vídeos

platão

política

putnam

quine

rawls

russell

samuel beckett

sandra costa

scarlett johansson

searle

sophia de mello breyner

villaret

virgínia woolf

wittgenstein

todas as tags

favoritos

...

links
Míope, logo táctil. Gosto de ler e conversar, q.b. «Nada convem mais ao homem do que o seu semelhante.» Vasco
blogs SAPO
subscrever feeds