Quarta-feira, 29 de Junho de 2005
Wittgenstein #10

6.371
A concepção moderna do mundo fundamenta-se na ilusão de que as chamadas leis da natureza são a explicação dos fenómenos da natureza.

6.372
Hoje fica-se pelas leis da natureza como algo de intocável,
como os antigos ficavam diante de Deus e do Destino.
Ambos têm e não têm razão.

A ideia dos antigos era mais clara uma vez que reconheciam um limite claro,
enquanto que no novo sistema se tem que dar a aparência de estar tudo esclarecido.



publicado por vbm às 14:02
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Segunda-feira, 27 de Junho de 2005
Wittgenstein # 9

6.363 O processo de indução consiste no facto de supormos válida a lei mais simples, a que se harmoniza com as nossas experiências.

6.3631 Mas a fundamentação deste processo não é lógica, é apenas psicológica. É óbvio que não existe qualquer razão para se acreditar que ocorrerá de facto o caso mais simples.

6.37 Não existe uma compulsão
que faça uma coisa ter de acontecer
pelo facto de outra ter acontecido.

Só existe necessidade lógica.



publicado por vbm às 10:35
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 13 de Junho de 2005
Wittgenstein # 8
Não podemos inferir os acontecimentos futuros dos acontecimentos presentes.
A crença no nexo causal é superstição. (T.L-Ph., §5.1362)


publicado por vbm às 12:33
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Sexta-feira, 10 de Junho de 2005
Wittgenstein # 7

6.3431 Através de todo o aparelho lógico
as leis da Física falam dos objectos do mundo.

6.3432 Não devemos esquecer
que a descrição do mundo por meio da mecânica
possui uma completa generalidade.

Por exemplo,
nunca se consideram pontos materiais determinados,
mas antes arbitrários.



publicado por vbm às 13:57
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 5 de Junho de 2005
Wittgenstein # 6
6.13
A Lógica não é uma doutrina,
é um espelho cuja imagem é o mundo. ( )


publicado por vbm às 10:58
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 3 de Junho de 2005
Wittgenstein # 5

6.12 O facto de as proposições da Lógica serem tautologias mostra as propriedades formais - lógicas - da linguagem, do mundo. O facto de se obter uma tautologia por uma certa conexão das suas partes constituintes caracteriza a lógica das partes constituintes. A fim de que as proposições, com esta conexão produzam uma tautologia, exige-se que tenham certas propriedades de estrutura. Que, uma vez nesta conexão produzem uma tautologia, mostra que possuem estas propriedades de estrutura.

6.124 As proposições da Lógica descrevem as traves-mestras do mundo, ou melhor ainda, representam-nas. Não "tratam" de nada. Pressupõem que os nomes têm uma denotação e as proposições elementares um sentido - e é esta a sua ligação com o mundo. Que certas ligações dos símbolos - que essencialmente têm um certo carácter - são tautologias tem que revelar, claro, alguma coisa acerca do mundo. Eis o decisivo. Dissemos que, nos símbolos que usamos, algumas coisas são arbitrárias, outras não são. Na Lógica só exprimem estas: mas isto significa que na Lógica nós não exprimimos o que queremos por meio de símbolos, mas antes na Lógica a natureza dos símbolos necessários e naturais fala por si: se conhecemos a sintaxe lógica de uma linguagem simbólica então já temos todas as proposições da Lógica.



publicado por vbm às 11:11
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

...

...

Pascal & Espinosa # 2

Pascal & Espinosa # 1

...

Espinosa # 55

Espinosa # 54

Espinosa # 53

Espinosa # 52

Espinosa # 51

...

Espinosa # 50

Espinosa # 49

Espinosa # 48

Espinosa # 47

Espinosa # 46

...

A Caverna de Platão

Wittgenstein: Philosophic...

Ayer on Frege and Russell

arquivos

Setembro 2015

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

tags

albert jacquard

ana de sousa

ana hatherly

ar rosa

astronomia

ayer

davidson

deleuze

dostoiévski

espinosa

eugénio de andrade

fiama

fotografia

françois miterrand

frege

gerard de constanze

gonzalo torriente ballester

hobbes

homero

hume

imagens

jl borges

khalil gibran

kripke

leibniz

maquiavel

nietzsche

pascal & espinosa

paul auster

paul valéry

peirce

philo-vídeos

platão

política

putnam

quine

rawls

russell

samuel beckett

sandra costa

scarlett johansson

searle

sophia de mello breyner

villaret

virgínia woolf

wittgenstein

todas as tags

favoritos

...

links
Míope, logo táctil. Gosto de ler e conversar, q.b. «Nada convem mais ao homem do que o seu semelhante.» Vasco
blogs SAPO
subscrever feeds