Terça-feira, 29 de Março de 2005
Ainda David Hume # 20

 

q       PORTANTO, parece, « a conjunção  de motivos e acções voluntárias é tão regular e uniforme como a que existe entre a causa e o efeito em qualquer parte da natureza.»

ORA, a humanidade conhece universalmente esta conjunção regular que nunca foi objecto de disputa quer na filosofia ou na vida comum.

A uniformidade experimentada nas acções humanas é a fonte das inferências acerca das acções dos outros, em cuja expectativa se entrelaça a cooperação social e a dependência mútua dos homens.

POR CONSEGUINTE; não teremos razão para afirmar que toda a humanidade sempre concordou na doutrina da necessidade, tal como a definimos? (§ 69)

q       E TAMBÉM nunca os filósofos acolheram opinião diferente e das pessoas, neste particular. Atente-se, tão só, quão diminuta é a parte especulativa do ensino a que não seja essencial a veracidade dos que o ministram.

É tal a conexão entre a evidência natural e a evidência moral que o espírito forma uma única cadeia de argumento, e não vê diferença entre as causas naturais e as acções voluntárias, ao passar de um para outro elo, de sorte que não é menor a certeza preditiva de qualquer evento futuro do que se estivesse conexo com objectos presentes aos sentidos (ou à memória) por um encadeamento de causas, cimentadas pelo que nos comprazemos em chamar uma necessidade física. (§ 70)

q       PORQUÊ, ENTÃO, — reconhecida que é por todos os homens a doutrina da necessidade em toda a sua prática e raciocínio — há relutância em reconhecê-la nas palavras?


tags:

publicado por vbm às 12:07
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 27 de Março de 2005
Ainda David Hume # 19

O vulgo, tomando as coisas segundo a sua primeira aparência, atribui a incerteza dos eventos a uma correspondente incerteza das causas…

Mas, os filósofos, ao constatarem que, em quase toda a parte da natureza, se contem uma vasta variedade de origens e princípios, alvitram que é possível que a contrariedade dos eventos não derive de alguma contingência na causa, mas da oculta operação de causas contrárias.

Esta possibilidade pode converter-se em certeza por ulterior observação que note, em escrutínio exacto, que «uma contrariedade de efeitos trai sempre uma contrariedade de causas e provém da sua mútua oposição.» (§ 67)

q       [ORA] este mesmo raciocínio deve aplicar-se às acções e volições dos agentes inteligentes.

As resoluções mais irregulares e inesperadas dos homens podem frequentemente ser explicadas por aqueles que conheçam todas as circunstâncias particulares da sua índole e situação.

Do mesmo modo que os ventos, a chuva, as nuvens e outras variações do tempo, embora não detectáveis pela sagacidade e investigação humana, se governam por princípios estáveis, assim os princípios e motivos internos das acções humanas podem actuar de uma maneira uniforme, não obstante as irregularidades aparentes. (§ 68)

 


tags:

publicado por vbm às 18:25
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 25 de Março de 2005
Ainda David Hume # 18

 

q       VEJAMOS a primeira circunstância: «a conjunção constante de eventos similares».

Há registo destes eventos na história das nações e das épocas? Há.

«Os mesmo motivos produzem as mesma acções

Queremos conhecer os gregos e os romanos? Entendamos bem a índole e as acções dos franceses e dos ingleses. A maior parte das observações podem transferir-se dos segundos para os primeiros.

(§ 65)

q       NO ENTANTO,  a uniformidade das acções humanas não vai ao ponto de postular comportamentos iguais nas mesmas circunstâncias, sem concessão à diversidade dos caracteres, preconceitos e opiniões! Mas esta variedade de conduta supõe ainda um grau significativo de uniformidade e regularidade. As maneiras diferentes em diferentes épocas e países decorre da grande força do costume e da educação que molda a mente do homem desde a infância e lhe configura uma maneira de ser (carácter) fixa e estabelecida. (§ 66)

q       MAS É POSSÍVEL, encontrar algumas acções que parecem não ter nenhuma conexão regular com quaisquer motivos. Que juízo formar de tais acções irregulares e extraordinárias?

Comparemo-las com os próprios eventos irregulares que surgem no curso da natureza: «Nem todas as causas se ligam aos seus efeitos usuais com uniformidade semelhante.»

 


tags:

publicado por vbm às 13:27
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 15 de Março de 2005
Ainda David Hume # 17

VEJAMOS: se a nossa visão da natureza fosse continuamente renovada a ponto de nenhuns eventos terem semelhança entre si, e cada objecto fosse inteiramente novo, sem qualquer semelhança ao <já visto>, [então] jamais alcançaríamos a menor ideia de necessidade ou de conexão entre objectos. Poderíamos só afirmar a sucessão de eventos, e não que um foi produzido por outro. Apenas, a memória e os sentidos veiculariam à mente, o conhecimento de qualquer existência concreta.

 POR CONSEGUINTE,

            a ideia de necessidade e causação deriva inteiramente da

            «uniformidade observável nas operações da natureza»

E, POR RAZÃO DESSA constante associação de objectos similares uns com os outros,

«a mente é determinada pelo costume a inferir um objecto, a partir do aparecimento de outro.»

 ESTE É, «o todo da necessidade» que atribuímos à matéria.

PARA LÁ da «constante conjunção de objectos semelhantes»

E da «consequente inferência de um para o outro»

NÃO TEMOS «nenhuma ideia de qualquer necessidade ou conexão.»

 ORA, se se convier  que estas duas circunstâncias têm lugar nas acções voluntárias dos homens, então a humanidade sempre esteve de acordo na doutrina da necessidade e toda a controvérsia é um equívoco de palavras. (§ 64)


tags:

publicado por vbm às 14:18
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 13 de Março de 2005
Ainda David Hume # 16

Hume, David, An Enquiry concerning Human Understanding, and concerning Principles of Morals, Text revised and notes by P. H. Nidditch, Clarendon Press, Oxford, Reprinted from 1777 edition, 1902, 1975 (3ª ed.), 1990 (11ª impr.)

e Hume, David, Investigação sobre o Entendimento Humano, trad. de Artur Morão, Edições 70, Lisboa, 1989

 

Secção 8, Parte 1, §§ 62-74; Parte 2, §§ 75-81 (“Of liberty and necessity”)

 

sec 8, I, §§ 62-74

q       Algumas questões gerais de filosofia são objecto de tão longa controvérsia, que tal só pode manter-se por não se atribuir as mesmas ideias aos mesmos termos, e destes não haver definições exactas. (§ 62)

q       Assim acontece com a questão da liberdade e da necessidade, longamente debatida. Umas quantas definições inteligíveis findariam de imediato a polémica. toda a controvérsia girou, até agora, em torno de meras palavras. (§ 63)

q       Universalmente admite-se que a matéria é actuada por uma força necessária, em todas as suas operações; e que todo o efeito natural é determinado com precisão pela energia da sua causa, a tal ponto que, dadas as circunstâncias particulares de cada caso, nenhum outro efeito poderia ter a possibilidade de resultar.

            Mas, de onde provém esta ideia de necessidade?


tags:

publicado por vbm às 13:53
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 9 de Março de 2005
Ainda David Hume # 15
§38 QUAL É, ENTÃO, A CONCLUSÃO? Simplesmente esta: «Toda a crença acerca de uma questão de facto ou de uma existência real é derivada unicamente de algum objecto presente à memória ou aos sentidos e de uma conjunção habitual entre ele e algum outro objecto.»

tags:

publicado por vbm às 11:34
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 7 de Março de 2005
Ainda David Hume # 14
§37 MAS, É CONVENIENTE observar que, embora as conclusões a partir da experiência nos levem além da nossa memória e dos nossos sentidos e nos assegurem de questões de facto que aconteceram nos lugares mais distantes e nas eras mais remotas, DEVE, APESAR DE TUDO, estar sempre presente aos sentidos ou à memória algum facto a partir do qual possamos primeiro prosseguir e tirar essas conclusões. SE ASSIM NÃO FOSSE, os nossos raciocínios seriam meramente hipotéticos e, por mais que os elos particulares possam estar ligados uns aos outros, a cadeia inteira de inferências nada teria a sustentá-la, nem alguma vez poderíamos, por seu intermédio, chegar ao conhecimento de uma existência real. {Comentário 9 – De acordo quanto à factualidade do ponto de partida. Mas, mesmo um erróneo ponto de partida não suscitará um olhar interrogativo mais desperto e inteligente? …}

tags:

publicado por vbm às 18:13
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 3 de Março de 2005
Ainda David Hume # 13

§36

O Princípio é «O COSTUME ou HÁBITO».

Ele ocorre onde quer que a repetição de qualquer acto ou operação particular manifeste uma propensão para renovar o mesmo acto ou operação, sem ser impulsionado por raciocínio ou processo algum de entendimento.

DIZEMOS: essa propensão é o efeito do costume.

NÃO PRETENDEMOS ter dado a razão de semelhante propensão.

SALIENTAMOS SÓ um princípio da natureza humana, reconhecido universalmente, muito conhecido pelos seus efeitos.

CONTENTEMO-NOS com esta constatação, enquanto princípio último de «todas as nossas conclusões a partir da experiência

A NOSSA ASSERÇÃO é exprimível nesta proposição muito inteligível:

 «Após a conjunção constante de dois objectos somos determinados pelo costume a apenas esperar um a partir do aparecimento do outro

 E, até SE ASSIM NÃO FOSSE:

como explicaríamos que somos capazes de tirar uma inferência de mil casos, que não conseguimos tirar de um único caso, que de modo algum difere dos restantes? A razão não procede assim. As conclusões que retira da consideração de um círculo são as mesmas que formaria após a inspecção de todos os círculos do universo.

 {Comentário 7 – E então? Daqui se vê que o conhecimento racional dedutivo dá “muito menos trabalho” do que o conhecimento pela experiência, e enquanto não subsumirmos este naquele, não temos razões para estar satisfeitos…}

 

POR CONSEGUINTE,

«todas as inferências a partir da experiência são efeitos do COSTUME, não do raciocínio

 ASSIM,

«o COSTUME é o grande guia da vida humana

 SEM A SUA INFLUÊNCIA,

«seríamos plenamente ignorantes em toda a questão de facto situada além do que está imediatamente presente à memória e aos sentidos

 NUNCA SABERÍAMOS,

«ajustar os meios aos fins»

ou

«empregar as nossas potências naturais na produção de qualquer efeito.»

 CESSARIA

«toda a acção» e a «principal parte da especulação.»

 {Comentário 8 – Mas como temos esta aptidão natural, além daqueloutra do raciocínio lógico abstracto, – isto é, “descondicionado” da “causalidade que preside à realidade existente” –, devemos interpretar o que a experiência mostra na inteligência de um quadro de conhecimento dedutivo que a justifique, o que… “poupa imenso trabalho” , permite descobrir … “muitos inobservados” e,… hipostasiar alguns “inobserváveis”  a “cartografar” efeitos ainda inexplicados?}


tags:

publicado por vbm às 14:49
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

Terça-feira, 1 de Março de 2005
Ainda David Hume # 12

§35

SUPONHAMOS,

H: — «que um homem dotado de razão e reflexão subitamente entra neste mundo»

T: — «a princípio, não conseguiria alcançar a ideia de causa e efeito, mediante qualquer     

raciocínio.»

PORQUE NÃO?

Porque os “poderes particulares” pelos quais todas as operações naturais se executam, «nunca aparecem aos sentidos.»

{Comentário 1 – Contudo, …, podia interpretar de imediato o que observava, utilizando o conhecimento do mundo de onde viera e, … podia ser que …acertasse nas causas de pelo menos alguns efeitos observados…}

TAMBÉM, não é justo concluir unicamente porque um evento, num caso, precede outro o primeiro seja causa e o segundo o efeito: a sua conjunção pode ser arbitrária ou casual.

{Comentário 2 – Mas, também, a contiguidade de eventos, mesmo constante, não sugere a ideia de causa e efeito… por exemplo, “depois da tempestade, a bonança”, “à noite sucede o dia”: nada sugere o primeiro como causa do segundo. O espírito imagina logo sim “um poder particular” a justificar certos eventos singulares…}

PORTANTO, sem mais experiência, nunca pode utilizar «a sua conjectura ou raciocínio acerca de qualquer questão de facto.»

{Comentário 3 – Ao contrário, porventura fá-lo sempre — procura com o que sabe, explicar “as novidades”… se o não consegue é que fica a “pensar mais”…}

NEM PODE certificar-se de «coisa alguma» para além do que «esteja imediatamente presente à sua memória e aos seus sentidos.»

MAS SUPONHAMOS, DE NOVO, que adquiriu maior experiência e viveu durante tanto tempo que: «observou objectos ou eventos familiares a combinar-se constantemente.»

QUAL É A CONSEQUÊNCIA? «Imediatamente infere a existência de um objecto a partir do aparecimento do outro.»

{Comentário 4 – Essa será  a tendência, realmente!}

MAS, «não adquiriu, mediante toda a sua experiência, ideia ou conhecimento de algum poder secreto pelo qual um objecto produz o outro» NEM «é induzido, por processo algum de raciocínio a tirar essa inferência.»

{Comentário 5 – Porém, procurará ajustar os mitos (as narrativas), que tem na memória, às combinações de eventos com que se familiarizou pela experiência…}

NO ENTANTO, infere a conclusão do evento que se verifica.

{Comentário 6 – Sem dúvida, cf. 4}

PORQUÊ? Qual o princípio deste procedimento?

 

 

 

tags:

publicado por vbm às 22:58
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

...

...

Pascal & Espinosa # 2

Pascal & Espinosa # 1

...

Espinosa # 55

Espinosa # 54

Espinosa # 53

Espinosa # 52

Espinosa # 51

...

Espinosa # 50

Espinosa # 49

Espinosa # 48

Espinosa # 47

Espinosa # 46

...

A Caverna de Platão

Wittgenstein: Philosophic...

Ayer on Frege and Russell

arquivos

Setembro 2015

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

tags

albert jacquard

ana de sousa

ana hatherly

ar rosa

astronomia

ayer

davidson

deleuze

dostoiévski

espinosa

eugénio de andrade

fiama

fotografia

françois miterrand

frege

gerard de constanze

gonzalo torriente ballester

hobbes

homero

hume

imagens

jl borges

khalil gibran

kripke

leibniz

maquiavel

nietzsche

pascal & espinosa

paul auster

paul valéry

peirce

philo-vídeos

platão

política

putnam

quine

rawls

russell

samuel beckett

sandra costa

scarlett johansson

searle

sophia de mello breyner

villaret

virgínia woolf

wittgenstein

todas as tags

favoritos

...

links
Míope, logo táctil. Gosto de ler e conversar, q.b. «Nada convem mais ao homem do que o seu semelhante.» Vasco
blogs SAPO
subscrever feeds