Sexta-feira, 25 de Fevereiro de 2005
Ainda David Hume # 11

Hume, David, Investigação sobre o Entendimento Humano, trad. de Artur Morão, Edições 70, Lisboa, 1989
Secção 5, Parte 1, §§ 34-38
("Sceptical solution of doubts exposed in Sec.4 concerning the operations of understanding")

§34
A filosofia e a religião, em vez de corrigir as nossas maneiras e extirpar os nossos vícios, pode alimentar a inclinação da mente para o lado em que o nosso temperamento está mais predisposto.


Se a aspiração for:                          podemos acabar:                       
"a firmeza magnânima do filósofo  -->. refinando o egoísmo com a filosofia de Epitecto ou dos estóicos. ou limitar os nossos prazeres ao interior da mente
"o desprezo das riquezas e das honras  -->. a lisonjear a nossa indolência natural.


CONTUDO, SE a filosofia acarinhada for a académica ou céptica,
não há que recear o inconveniente de agravar qualquer das nossas paixões desordenadas.

POIS, de que falam os académicos?
- da dúvida;
- da suspensão do juízo;
- do perigo das determinações apressadas;
- do confinamento em limites estreitos da indagação do entendimento;
- da renúncia a especulações fora dos limites da vida e da prática comuns.

ORA. com este ideal, toda a paixão se mortifica, excepto: "o amor à verdade."

TALVEZ POR ISTO, esta filosofia seja objecto de tanta censura e difamação infundada e tão exposta ao ódio e ressentimento públicos.

Da modéstia dos seus propósitos, NÃO temos de RECEAR que a filosofia céptica debilite sempre os nossos raciocínios da vida comum e destrua toda a acção e a especulação.

PORQUE:
"a natureza manterá sempre os seus direitos
e acabará por prevalecer
sobre todo e qualquer raciocínio abstracto."

 

 

tags:

publicado por vbm às 22:21
link do post | comentar | favorito
|

Segunda-feira, 21 de Fevereiro de 2005
...
Filho de Laertes, criado por Zeus, Ulisses de mil ardis! Então para tua casa e para a amada terra pátria queres agora regressar? Despeço-me e desejo-te boa sorte. Mas se soubesses no teu espírito qual é a medida da desgraça que te falta cumprir, antes de chegares à terra pátria, aqui permanecerias, para comigo guardares esta casa; e serias imortal, apesar do desejo que sentes de ver a esposa por que anseias constantemente todos os dias. Pois eu declaro na verdade não ser inferior a ela, de corpo ou estatura: não é possível que mulheres compitam em corpo e beleza com deusas imortais” ulisses.jpg Respondendo-lhe assim falou o astucioso Ulisses: “Deusa sublime, não te encolerizes contra mim. Eu próprio sei bem que, comparada contigo, a sensata Penélope é inferior em beleza e estatura quando se olha para ela. Ela é uma mulher mortal; tu és divina e nunca envelheces. Mas mesmo assim quero e desejo todos os dias voltar a casa e ver finalmente o dia do meu regresso. E se algum deus me ferir no mar cor de vinho, aguentarei: pois tenho no peito um coração que aguenta a dor. Já anteriormente muito sofri e muito aguentei no mar e na guerra: que mais esta dor se junte às outras” (Canto V, 203-24)

tags:

publicado por vbm às 18:44
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 16 de Fevereiro de 2005
Ainda David Hume # 10

Estes princípios de associação estão reduzidos a três, viz. Semelhança; um retrato naturalmente faz-nos pensar no homem desenhado. Contiguidade; quando St Dennis é mencionado, a ideia de Paris ocorre naturalmente. Causação; quando pensamos no filho, estamos preparados para prestar atenção ao pai. ( ) tanto quanto o que à mente diz respeito, estes são os únicos elos que ligam entre si as partes do universo, ou que nos conexionam com qualquer pessoa ou objecto exterior a nós próprios. Pois é só mediante o pensamento que as coisas agem sobre as nossas paixões, e como estas são as únicas amarras dos nossos pensamentos, elas são para nós o cimento do universo, e todas as operações da mente devem, em grande medida, depender delas.

 

(I a X, Excertos, em tradução livre, de David Hume, An Abstract of a Book lately published, entituled, “A Treatise of Human Nature, &c.”, London, 1740)


tags:

publicado por vbm às 18:13
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 8 de Fevereiro de 2005
Ainda David Hume # 9

[Para] explicar esta maneira ou sentimento, ( ) em palavras, ( ) podemos chamar-lhe uma concepção mais forte, mais vívida, mais animada, mais firme, ou uma concepção mais intensa. Seja qual for o nome com que designemos este sentimento, que constitui a crença, é evidente que ela tem um efeito imperioso sobre a mente do que a ficção ou a mera concepção.

( ) Ao considerar o movimento comunicado de uma bola a outra, não podemos encontrar nada mais do que contiguidade, prioridade da causa e conjunção constante. Mas, para lá destas circunstâncias, é comummente suposto que existe uma conexão necessária entre a causa e o efeito, e que a causa possui qualquer coisa, a que chamamos poder,  força ou energia. A questão é, que ideia associamos a estes termos? Se todas as nossas ideias ou pensamentos derivam das nossas impressões, esse poder deve descobrir-se ele próprio aos nossos sentidos ou ao nosso sentimento interior.

( ) Se algo pode credenciar o autor para o nome glorioso de inventor, tal é o uso que faz do princípio de associação de ideias, que subjaz à maior parte da sua filosofia. A nossa imaginação tem grande autoridade sobre as nossas ideias; e não há ideias que sejam diferentes entre si que a imaginação não possa juntar e separar e compor em todas as variedades de ficção. Mas, não obstante o império da imaginação, há uma união ou laço secreto entre ideias particulares, que constrange a mente a conjugá-las mais frequentemente, e faz com que uma, após a sua manifestação, introduza a outra. Aqui emerge o que chamamos o apropos do discurso: aqui a conexão da escrita: e aqui a rede, ou cadeia de pensamento, que um homem naturalmente preserva mesmo na mais frouxa rêverie.


tags:

publicado por vbm às 18:19
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 6 de Fevereiro de 2005
Ainda David Hume # 8

Dado que, portanto, a crença implica a concepção, e contudo é algo mais; e dado que não acrescenta nenhuma ideia nova à concepção ; segue-se que é uma MANEIRA diferente de conceber um objecto; algo que é distinto no sentimento, e não depende da nossa vontade, como o fazem todas as nossas ideias. A minha mente move-se, pelo hábito, do objecto visível de uma bola a deslocar-se contra outra, para o efeito usual do movimento da segunda bola. não apenas concebe esse movimento, como sente, nessa concepção, qualquer coisa diferente de uma mera fantasia da imaginação. A presença deste objecto visível, e a conjunção constante daquele efeito particular, torna a ideia diferente à sensibilidade daquelas ideias frouxas, que ocorrem à mente sem quaisquer preliminares. Esta conclusão parecerá um pouco surpreendente; mas somos a ela conduzidos por uma cadeia de prposições que não admitem qualquer dúvida. Posso facilitar a memória do leitor, resumo-as com brevidade :

—     Nenhuma matéria de facto pode provar-se, salvo mediante a sua causa ou o seu efeito.

—     Nada pode conhecer-se ser a causa de algo, salvo por experiência.

—     Não podemos dar nenhuma razão para tornar extensivo ao futuro a nossa experiência do passado;

—     Mas somos inteiramente determinados pelo costume, quando concebemos um efeito que sucede à sua causa habitual.

—     Mas também acreditamos que o efeito se seguirá, assim como o concebemos.

—     Esta crença não acrescenta nenhuma ideia nova à concepção.

—     Apenas altera a maneira de conceber, e introduz uma diferença no sentimento ou na sensibilidade.

—     A crença, portanto, em todas as matérias de facto, emerge somente do costume, e é uma ideia concebida de uma maneira peculiar.


tags:

publicado por vbm às 12:24
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

Sexta-feira, 4 de Fevereiro de 2005
Ainda David Hume # 7

Para dar a explicação disto, só há duas hipóteses. Pode dizer-se que a crença une alguma ideia nova àquelas que podemos conceber sem nelas assentir. Mas esta hipótese é falsa. Pois, em primeiro lugar, nenhuma ideia desse género pode produzir-se. Quando simplesmente concebemos um objecto, concebemo-lo em todas as suas partes. Concebemo-lo tal como pode existir, embora não acreditemos que exista. A nossa crença não decobriria novas qualidades. Podemos figurar o objecto inteiro na imaginação sem nele acreditar. Podemos dispô-lo num modo, em frente aos olhos, com cada circunstância de tempo e lugar. É o próprio objecto concebido tal como pode existir ; e quando nele acreditamos, não podemos fazer nada mais.

Em segundo lugar, a mente tem a faculdade de ligar e unir todas as ideias, que não envolvam contradição; e portanto se a crença consistisse nalguma ideia, que adicionássemos à simples concepção, estaria no poder do homem, mediante a adição de tal ideia à concepção, acreditar o que quer que fosse, entre o que pudesse conceber.


tags:

publicado por vbm às 12:04
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 3 de Fevereiro de 2005
Ainda David Hume # 6

Esta é uma descoberta muito curiosa, mas que leva a outras ainda mais curiosas. Quando vejo uma bola de bilhar mover-se em direcção a outra, a minha mente é imediatamente levada pelo hábito ao efeito usual, e antecipa a minha visão ao conceber a segunda bola em movimento. Mas, isto é tudo ? Não faço senão CONCEBER o movimento da segunda bola ? Certamente que não. Eu também ACREDITO que ela se moverá. O que é então esta crença ? E em que difere ela da simples concepção da coisa ? Eis aqui uma nova questão impensada pelos filósofos. 

Quando uma demonstração me convence de qualquer proposição, não apenas me faz conceber a proposição, mas também me torna sensível a que é impossível conceber qualquer coisa contrária. O que é demonstrativamente falso implica a contradição ; e o que acarreta contradição não pode conceber-se. Mas com respeito a qualquer matéria de facto, por muito forte que seja a prova derivada da experiência, posso sempre conceber o contrário, embora não possa sempre acreditar nisso. A crença, portanto, estabelece alguma diferença entre a concepção à qual assentimos e àquela a que não damos o nosso assentimento.


tags:

publicado por vbm às 00:37
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 1 de Fevereiro de 2005
Ainda David Hume # 5

Somos determinados pelo COSTUME sómente a supor o futuro conformável ao passado. Quando vejo uma bola de bilhar mover-se em direcção a outra, a minha mente é imediatamente levada pelo hábito ao efeito usual, e antecipa a minha visão ao conceber a segunda bola em movimento. Nada há nestes objectos, considerados abstractamente, e de modo independente da experiência, que me induza a formar uma tal conclusão: e até depois de ter tido a experiência de muitos efeitos repetidos deste género, não há nenhum argumento que me determine a supor que o efeito será conformável à experiência passada. Os poderes, pelos quais os corpos operam, são inteiramente desconhecidos. Apercebemo-nos somente das suas qualidades sensíveis : e que razão temos nós para pensar que os mesmos poderes se conjugarão sempre com as mesmas qualidades sensíveis ?

Não é, portanto, a razão, que é o guia da vida, mas o costume. Só este determina a mente, em todas as instâncias, a supor o futuro conformável com o passado. Por muito fácil que este passo pareça, a razão nunca em toda a sua eternidade o conseguiria dar.


tags:

publicado por vbm às 16:21
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

...

...

Pascal & Espinosa # 2

Pascal & Espinosa # 1

...

Espinosa # 55

Espinosa # 54

Espinosa # 53

Espinosa # 52

Espinosa # 51

...

Espinosa # 50

Espinosa # 49

Espinosa # 48

Espinosa # 47

Espinosa # 46

...

A Caverna de Platão

Wittgenstein: Philosophic...

Ayer on Frege and Russell

arquivos

Setembro 2015

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

tags

albert jacquard

ana de sousa

ana hatherly

ar rosa

astronomia

ayer

davidson

deleuze

dostoiévski

espinosa

eugénio de andrade

fiama

fotografia

françois miterrand

frege

gerard de constanze

gonzalo torriente ballester

hobbes

homero

hume

imagens

jl borges

khalil gibran

kripke

leibniz

maquiavel

nietzsche

pascal & espinosa

paul auster

paul valéry

peirce

philo-vídeos

platão

política

putnam

quine

rawls

russell

samuel beckett

sandra costa

scarlett johansson

searle

sophia de mello breyner

villaret

virgínia woolf

wittgenstein

todas as tags

favoritos

...

links
Míope, logo táctil. Gosto de ler e conversar, q.b. «Nada convem mais ao homem do que o seu semelhante.» Vasco
blogs SAPO
subscrever feeds