Terça-feira, 30 de Novembro de 2004
albert jacquard # 10

A felicidade confunde o presente e o futuro, o estar e o tornar-se.
É uma atitude interior em que coexiste uma alegria difundindo-se
sobre toda a realidade do instante com um dinamismo
que impele para um porvir desejado; é, pois,

simultaneamente,
um encanto e uma esperança.

(Op.cit., p.55)



publicado por vbm às 12:52
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Domingo, 28 de Novembro de 2004
albert jacquard # 9

Em questões éticas, seria talvez necessário completar as duas noções
tradicionais de bem e de mal acrescentando-lhes a noção de "indecidível".
Gödel demonstrou, com efeito, que, em lógica, uma afirmação só pode
ser provada no quadro referencial de uma doutrina mais larga;
a procura de uma prova definitiva só tem fim quando se admite
como absolutamente verdadeira uma palavra inicial. (...)
devemos aceitar, em lógica como em moral,
que uma posição indecidível tenha o seu lugar.

(Op.cit., p. 53)



publicado por vbm às 22:51
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sexta-feira, 26 de Novembro de 2004
albert jacquard # 8

Agir desencadeia uma série de consequências.
Aquele que age comporta-se como ser responsável
quando assume pessoalmente o peso dessas consequências.
( ) Mas também é verdade que é impossível prever
o conjunto de acontecimentos que serão provocados
sucessivamente por [um] acto. "Eu não quis isso", dizem,
e muitas vezes com razão, os que, por falta de lucidez,
provocaram catástrofes. Mas o crime que cometeram
reside precisamente no facto de lhes ter faltado lucidez.

(Op. cit., p. 50)



publicado por vbm às 12:27
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quarta-feira, 24 de Novembro de 2004
albert jacquard # 7

O conceito de tempo é indissociável da constatação de que
as ocorrências se dão segundo uma certa ordem. ( ) 
Toda e qualquer medida [do] tempo consiste, unicamente,
em contar o número de ocorrências de um dado tipo ( ).
Pode ( ) medir-se a duração de um dia expressando-a pelo
número de batidas de um pêndulo, ou a duração dessas batidas
pelo número de vibrações de um cristal..


Convencionou-se, assim, que um dia tem a duração de 86 400 segundos e
que um segundo dura tanto como 9 192 631 770 períodos de um fenómeno de transição provocado num átomo de césio.
Estas convenções permitem medir durações em função de outras durações; mas são omissas relativamente à característica medida. ( )
a física quântica ( ) [postula] que nenhuma duração pode ser menor do que 5,4 * 10^-4 segundos, ou seja, "o tempo de Planck".

 

(Op. cit., p. 43)



publicado por vbm às 13:14
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Segunda-feira, 22 de Novembro de 2004
albert jacquard # 6
Que havia ( ) há dezasseis biliões de anos?
Seria errado responder: não havia nada.
Seria dizer demasiado.
A boa resposta é: não havia "havia".
Enquanto o big bang não fez surgir o universo,
o tempo não podia desenrolar-se.
( ) a constatação essencial foi formulada no século IV
por Santo Agostinho, ao observar:
"Sei que se nada se passava, é porque não havia tempo passado."


publicado por vbm às 23:55
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

Sábado, 20 de Novembro de 2004
...

mulher2.jpg

«E quando um dia eu estava a falar a sós com a minha brava Sabedoria,
disse-me ela, colérica: "Tu queres, tu desejas, tu amas, e
é só por isso que tu louvas a Vida!"»

-- Não dispenso a redundância :) --

 


tags:

publicado por vbm às 15:51
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Quinta-feira, 18 de Novembro de 2004
albert jacquard # 5

Com o comprimento e a massa, o tempo é uma das três dimensões
que permitem definir todas as restantes grandezas que intervêm nos
modelos matemáticos do mundo real.
Nesse contexto, é definido pela medida que fazemos dele.
Mas essa medida não é absoluta; segundo a relatividade, depende
do movimento do observador e da presença de massas no espaço:
tempo e espaço são indissociáveis, formam um todo, o espaço-tempo.
( )
O tempo não existe antes dos acontecimentos.
Pelo contrário, é gerado por eles.
( )
as quatro dimensões que nos permitem referenciar um acontecimento
não podem ser repartidas em três mais uma ( )
Se ( ) se pretende descrever o mesmo acontecimento em referenciais distintos,
é necessário tomar as quatro dimensões como um todo indissociável, o "espaço-tempo".
........................................................................................................................

(Albert Jacquard, com a participação de Huguette Planès,
Pequeno manual de filosofia para uso dos não-filósofos,
Terramar, Lisboa, 1997 p. 44; 45; 46)



publicado por vbm às 23:29
link do post | comentar | favorito
|

Terça-feira, 16 de Novembro de 2004
albert jacquard # 4

Se eu fosse um núcleo de hélio,
maravilhar-me-ia com os poderes de um átomo de carbono,
se eu fosse um átomo de carbono,
maravilhar-me-ia ... e assim por diante.

Na extremidade da cadeia encontramos o homem.
Ora este só se pode maravilhar com
o único objecto mais complexo do que ele,
com o único objecto que dispõe de mais poderes:
a comunidade humana.

Através da consciência,
que só me é dada por pertencer a essa comunidade,
eu participo no impulso cósmico que tudo impele para a complexidade.
---------------------------------- // ---------------------------------



publicado por vbm às 13:16
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 14 de Novembro de 2004
albert jacquard # 3

Entre os poderes que recebeu o cérebro,
conta-se o mais decisivo de todos eles, a saber,
a criação da comunicação entre os homens,
a que nós chamámos o "discurso".

Foi então que cada um de nós pôde tomar-se a si próprio
como objecto do seu próprio discurso, ou seja,
desenvolver a sua consciência de existente.
Mas esse discurso só podia existir numa rede de troca e de partilha.

Essa rede colectiva é, assim, o ponto de partida da consciência individual.
O que gosto de resumir com a fórmula ( ):
"Eu digo eu porque outros me disseram tu."
O espírito é pura e simplesmente o ponto de chegada da aventura da matéria.
Não tem origem senão o conjunto do cosmos.
.......................................................................................................................
( ) a consciência pessoal só viceja se se enraizar numa consciência colectiva;
porque a minha consciência é o caminho percorrido na companhia das outras consciências.
.......................................................................................................................



publicado por vbm às 11:22
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 12 de Novembro de 2004
albert jacquard # 2

Qualquer ser humano pode focalizar sobre si mesmo este olhar criador de objectos.
Ao focalizar-se, ele já não é só um existente,
mas alguém que sabe que existe,
alguém que transforma a sua pessoa em objecto do seu discurso.
É isso a consciência. Uma experiência que nos permite saber-nos existentes.
........................................................................................................................
O que houve, ao longo da evolução do cosmos, foi pura e simplesmente
uma continuidade na aparição de poderes sempre crescentes
das estruturas materiais que se foram formando,
poderes esses relacionados com a complexidade dessas mesmas estruturas.

Esse processo foi continuado até ao aparecimento do campeão da complexidade
que é o cérebro humano.

 



publicado por vbm às 13:59
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

...

...

Pascal & Espinosa # 2

Pascal & Espinosa # 1

...

Espinosa # 55

Espinosa # 54

Espinosa # 53

Espinosa # 52

Espinosa # 51

...

Espinosa # 50

Espinosa # 49

Espinosa # 48

Espinosa # 47

Espinosa # 46

...

A Caverna de Platão

Wittgenstein: Philosophic...

Ayer on Frege and Russell

arquivos

Setembro 2015

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

tags

albert jacquard

ana de sousa

ana hatherly

ar rosa

astronomia

ayer

davidson

deleuze

dostoiévski

espinosa

eugénio de andrade

fiama

fotografia

françois miterrand

frege

gerard de constanze

gonzalo torriente ballester

hobbes

homero

hume

imagens

jl borges

khalil gibran

kripke

leibniz

maquiavel

nietzsche

pascal & espinosa

paul auster

paul valéry

peirce

philo-vídeos

platão

política

putnam

quine

rawls

russell

samuel beckett

sandra costa

scarlett johansson

searle

sophia de mello breyner

villaret

virgínia woolf

wittgenstein

todas as tags

favoritos

...

links
Míope, logo táctil. Gosto de ler e conversar, q.b. «Nada convem mais ao homem do que o seu semelhante.» Vasco
blogs SAPO
subscrever feeds