Segunda-feira, 28 de Junho de 2004
Davidson # 8

A ideia é então que alguma coisa é uma linguagem, e associada a um esquema conceptual, quer a consigamos traduzir ou não, se ela está numa certa relação (predição, organização, confronto ou ajustamento) com a experiência (natureza, realidade, respostas sensoriais). O problema é o dizer o que é esta relação, e ser mais claro sobre as entidades na relação.

As imagens e as metáforas dividem-se em dois grupos: os esquemas conceptuais (linguagens) ou organizam algo ou adequam-se-lhe. O primeiro grupo abrange também sistematizar, dividir (a corrente da experiência); outros exemplos do segundo grupo são predizer, dar conta de, enfrentar (o tribunal da experiência).

Quanto às entidades que são organizadas, ou a que o esquema deve adequar-se, penso também que podemos detectar duas ideias principais: ou é a realidade (o universo, o mundo, a natureza) ou a experiência (a cena que flui, superfícies de irritação, estímulos sensoriais, dados dos sentidos, o dado)

Nós não podemos atribuir um sentido claro à noção de organizar um objecto singular (o mundo, a natureza, etc.) a menos que esse objecto seja entendido como contendo ou consistindo em outros objectos.

Uma linguagem pode conter predicados simples cujas extensões não tenham correspondência em nenhuns predicados simples ou complexos, de uma outra linguagem. O que nos capacita a estabelecer este facto em casos particulares é uma ontologia comum às duas linguagens, com conceitos que individuem os mesmos objectos.


tags:

publicado por vbm às 12:37
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 26 de Junho de 2004
Davidson # 7

Apresso-me a afirmar que este segundo dualismo do esquema-conteúdo, de um sistema organizativo e de algo à espera de ser organizado, não é inteligível nem defensável. Ele próprio é um dogma do empirismo, o terceiro dogma. O terceiro e talvez o último, porque se nos livrarmos dele, não é líquido que reste algo distinto a que possa chamar-se empirismo.

O dualismo esquema-conteúdo tem sido formulado de muitas maneiras distintas. Worf, por exemplo, diz que “... a linguagem produz uma organização da experiência. ( ) a linguagem, antes de tudo, é uma classificação ou um arranjo do fluxo da experiência sensorial, a qual resulta numa certa ordem do mundo. Somos assim introduzidos num novo princípio de relatividade, que afirma que nem todos os observadores são guiados pela mesma evidência física para uma mesma representação do universo, a menos que os backgrounds linguísticos sejam similares ou possam de algum modo ajustar-se.”

A falha na inter-traduzibilidade é uma condição necessária para a diferença de esquemas conceptuais; a relação comum com a experiência ou evidência é o que é suposto ajudar-nos a dar sentido ao argumento de que são as linguagens ou os esquemas que estão em causa quando a tradução falha. É essencial a esta ideia que haja qualquer coisa neutral e comum que está de fora de todos os esquemas. Esta qualquer coisa comum não pode obviamente ser a matéria das línguas contrastantes, pois nesse caso a tradução seria possível.


tags:

publicado por vbm às 11:37
link do post | comentar | favorito
|

Quarta-feira, 23 de Junho de 2004
...

penelope.jpg

        A primeira a falar foi Atena, a deusa de olhos garços:
        "Filho de Laertes, criado por Zeus, Ulisses de mil ardis!
        Pensa como poderás pôr as mãos nos pretendentes sem vergonha,
        que há três anos se assenhorearam do teu palácio,
        fazendo a corte à tua mulher e oferecendo presentes.
        Sempre em seu coração lamenta que não regresses:
        a todos dá esperança e a cada homem manda recados,
        mas o seu espírito está voltado para outras coisas."

(Odisseia, XIII, 374-81)


tags:

publicado por vbm às 12:02
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

Segunda-feira, 21 de Junho de 2004
Davidson # 6

O dualismo do analítico-sintético é um dualismo de frases, algumas das quais são verdadeiras (ou falsas) quer por causa do que significam quer por causa do seu conteúdo empírico; enquanto outras são verdadeiras (ou falsas) por virtude do seu sentido (intensão) apenas, sem nenhum conteúdo empírico.

Se desistirmos do dualismo, abandonamos a concepção de sentido que a implica, mas não temos que abandonar a ideia de conteúdo empírico. Podemos afirmar que todas as frases têm conteúdo empírico. E este é por seu turno explicado por referência a factos, ao mundo, à experiência, às sensações, à totalidade dos estímulos sensoriais ou algo de semelhante.

O sentido (intensão) deu-nos um meio de falar acerca de categorias, a estrutura organizativa da linguagem, etc.; mas é possível abandonar o sentido e a analíticidade conservando a ideia de linguagem como encorpando um esquema conceptual. Assim, no lugar do dualismo analítico-sintético, obtemos o dualismo do esquema conceptual e conteúdo empírico.

Este novo dualismo é a fundação de um empirismo tosquiado dos dogmas insustentáveis da distinção analítico-sintético e do reducionismo – tosquiado, diga-se, da ideia inoperativa de que só podemos atribuir conteúdo empírico unicamente frase a frase.


tags:

publicado por vbm às 13:21
link do post | comentar | favorito
|

Sábado, 19 de Junho de 2004
Davidson # 5

A frase-chave é: tanto quanto eu sei. O que é claro é que a retenção de algum ou todo o vocabulário antigo, em si, não fornece nenhuma base para ajuizar se o novo esquema conceptual é o mesmo ou diferente do antigo.

Assim, o que parecia à primeira vista uma descoberta excitante – a verdade é relativa a um esquema conceptual – não provou até agora ser nada mais do que o facto familiar de que a verdade de uma frase é relativa (entre outras coisas) à linguagem a que pertence. Em vez de viverem em mundos (worlds) diferentes, os cientistas de Kuhn, como todos os que necessitam do dicionário de Webster, estão só separados por palavras (words) – «Not different worlds, just words apart».

Abandonar a distinção analítico-sintético não provou ajudar a dar sentido ao relativismo conceptual. Contudo aquela distinção pode ser explicada em termos de algo que sirva de apoio ao relativismo conceptual, designadamente a ideia de conteúdo empírico.


tags:

publicado por vbm às 12:58
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 17 de Junho de 2004
Davidson # 4

Alguns filósofos e historiadores da ciência lamentam que os nossos modos de falar não estejam ainda ajustados ao padrão científico moderno, no qual o esquema e a linguagem possam ser melhor entendidos segundo um formato extensional e materialista. Contudo, não é de crer que a ciência e a compreensão avançassem – com a possível excepção da moral – se tais alterações tivessem lugar. Mas, a nossa questão presente é a de saber se se justificaria considerar essas alterações da linguagem como uma mudança no aparato básico conceptual.

Suponhamos que no meu gabinete do Ministério da Linguagem Científica, eu quero que o homem novo deixe de usar palavras para se referir a emoções, sentimentos, pensamentos e intenções, e passe a falar de estados fisiológicos e acontecimentos mais ou menos idênticos aos dos estados mentais. Como posso eu saber que os meus conselhos são seguidos se o homem novo fala uma nova língua? Tanto quanto sei, as novas frases brilhantes, embora roubadas da antiga linguagem em que se referiam a sensações fisiológicas, podem na mente dos falantes jogar o mesmo velho papel dos antigos conceitos mentais. [Diria John Locke, sobre a maleabilidade semântica: «o imperador Augusto, com todo o seu poder, é impotente para mudar o latim; mesmo que decretasse o significado de uma palavra, o povo poderia sempre usá-la atribuindo-lhe outra significação.» – meu comentário]


tags:

publicado por vbm às 14:08
link do post | comentar | favorito
|

Domingo, 13 de Junho de 2004
...

               trigo.jpg

«Agora mostrar-te-ei esta terra Ítaca, para que acredites.»
«Assim falando, a deusa dispersou o nevoeiro e a terra apareceu.
Alegrou-se de seguida o sofredor e divino Ulisses,
regozijando-se com a sua terra; e beijou o solo dador de cereais.»

(Odisseia, XIII, 344; 352-54)


tags:

publicado por vbm às 14:45
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

Sábado, 12 de Junho de 2004
Davidson # 3

A primeira metáfora requer uma distinção entre a linguagem do conceito e do conteúdo: usando um sistema fixo de conceitos (palavras com significados imutáveis) descrevemos universos alternativos. Algumas frases serão verdadeiras só por causa dos conceitos ou significados implicados; outras, por causa do modo de ser de cada mundo. Ao descrever mundos possíveis, jogamos com frases só deste segundo tipo.

A segunda metáfora (de Kuhn) sugere ao contrário um dualismo de uma espécie completamente diferente, o dualismo de um esquema total (ou linguagem) e um conteúdo por interpretar. A adesão a este segundo dualismo, embora não inconsistente coma adesão ao primeiro, pode ser encorajado por ataques ao primeiro. Vejamos como.

Desistir da distinção analítico-sintético, como básica para a compreensão da linguagem, é desistir da ideia de distinguir claramente entre teoria e linguagem. O sentido das frases é contaminado pela teoria sobre o que se suponha serem as frases tidas por verdadeiras.

Obtemos um esquema novo a partir de um antigo quando os falantes de uma língua passam a aceitar como verdadeiras todo um conjunto de frases anteriormente tidas por falsas (e, vice-versa, claro). Isto não pode ser descrito simplesmente como uma questão de passar a ver verdades em antigas inverdades. Porque o que se aceita, ao aceitar uma frase como verdadeira, não é a mesma coisa que se rejeita quando anteriormente a frase era tida por falsa. Uma mudança operou-se no sentido da frase porque ela pertence agora a uma nova linguagem.


tags:

publicado por vbm às 00:30
link do post | comentar | favorito
|

Sexta-feira, 11 de Junho de 2004
Davidson # 2

Estudar critérios de tradução é assim um modo de enfocar critérios de identidade entre esquemas conceptuais. Poderemos então dizer que dois povos têm esquemas conceptuais diferentes se falarem línguas impossíveis de se inter-traduzirem?

Podemos imaginar dois casos de insucesso: completo ou parcial.

No primeiro caso, provavelmente deveríamos sustentar que uma forma de actividade que não possa interpretar-se como uma linguagem na nossa linguagem não é um comportamento discursivo. Contudo esta conclusão – mesmo que seja uma verdade, como é credível que seja – não é muito apelativa porque não emerge como conclusão de um argumento.

Não pode haver dúvida que a relação entre a capacidade de traduzir a linguagem de alguém e a de descrever as suas atitudes é uma relação muito estreita. Contudo, até que sejamos capazes de dizer mais acerca do que é esta relação, será sempre muito obscura a tese contra a intraduzibilidade das línguas.

Segundo Khun, os cientistas que operam em tradições científicas diferentes (sob diferentes ‘paradigmas’) ‘trabalham em mundos diferentes’. Strawson, por seu lado, convida-nos a imaginar mundos possíveis não-actuais, mundos que podem descrever-se, usando a nossa linguagem actual, por redistribuição dos valores de verdade sobre frases em vários modos sistemáticos. A clareza dos contrastes entre os mundos depende assim de supormos fixo o mesmo esquema de conceitos, os nossos recursos descritivos. Kuhn, ao contrário, propõem-nos que pensemos em observadores diferentes num mesmo mundo, que o abordam em sistemas de conceitos incomensuráveis.

Assim, os vários mundos imaginados de Strawson são vistos ou apercebidos ou descritos segundo o mesmo ponto de vista; o mundo único de Kuhn é visto de diferentes pontos de vista.

 


tags:

publicado por vbm às 00:05
link do post | comentar | favorito
|

Quinta-feira, 10 de Junho de 2004
Davidson # 1

Donald Davidson

{Selecção e tradução livre do artigo de Donald Davidson sobre ‘o 3º dogma do empirismo’}

 

Os esquemas conceptuais são modos de organização da experiência; são sistemas de categorias que enformam os dados dos sentidos; são pontos de vista sob os quais os indivíduos, as culturas ou as épocas observam o fluxo dos acontecimentos.

Pode não haver qualquer tradução de um esquema para outro. A realidade ela própria será assim relativa a um esquema. Mesmo aqueles pensadores que perfilham um só esquema conceptual, estão dependentes ou sob a influência dessa ideia de um esquema conceptual.

Ora, o relativismo conceptual seria uma bizarra doutrina se tivesse em si algum sentido. O problema é que é difícil aumentar a inteligência das coisas conservando o grau de excitação que a sua ignorância suscita.

A metáfora dominante do relativismo conceptual – a de diferentes pontos de vista – parece revelar um paradoxo subjacente: diferentes pontos de vista podem fazer sentido somente se houver um sistema comum de coordenação no qual se projectem; porém, a existência de tal sistema comum repudia a pretensão de qualquer incomparabilidade dramática de pontos de vista.

Do que necessitamos é de estabelecer algum limite aos contrastes conceptuais, para impedir a travessia da zona do paradoxo da incomparabilidade.

Podemos aceitar a doutrina que associa a ideia de ‘ter uma linguagem’ com a de ‘ter um esquema conceptual’. Onde estes diferem, também as linguagens o fazem. Porém, falantes de línguas diferentes podem partilhar um esquema conceptual se houver um modo de traduzir uma linguagem na outra.

 


tags:

publicado por vbm às 17:21
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Setembro 2015
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
16
17
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


posts recentes

...

...

Pascal & Espinosa # 2

Pascal & Espinosa # 1

...

Espinosa # 55

Espinosa # 54

Espinosa # 53

Espinosa # 52

Espinosa # 51

...

Espinosa # 50

Espinosa # 49

Espinosa # 48

Espinosa # 47

Espinosa # 46

...

A Caverna de Platão

Wittgenstein: Philosophic...

Ayer on Frege and Russell

arquivos

Setembro 2015

Fevereiro 2010

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outubro 2005

Setembro 2005

Agosto 2005

Julho 2005

Junho 2005

Maio 2005

Abril 2005

Março 2005

Fevereiro 2005

Janeiro 2005

Dezembro 2004

Novembro 2004

Outubro 2004

Setembro 2004

Agosto 2004

Julho 2004

Junho 2004

Maio 2004

Abril 2004

Março 2004

Fevereiro 2004

Janeiro 2004

Dezembro 2003

Novembro 2003

tags

albert jacquard

ana de sousa

ana hatherly

ar rosa

astronomia

ayer

davidson

deleuze

dostoiévski

espinosa

eugénio de andrade

fiama

fotografia

françois miterrand

frege

gerard de constanze

gonzalo torriente ballester

hobbes

homero

hume

imagens

jl borges

khalil gibran

kripke

leibniz

maquiavel

nietzsche

pascal & espinosa

paul auster

paul valéry

peirce

philo-vídeos

platão

política

putnam

quine

rawls

russell

samuel beckett

sandra costa

scarlett johansson

searle

sophia de mello breyner

villaret

virgínia woolf

wittgenstein

todas as tags

favoritos

...

links
Míope, logo táctil. Gosto de ler e conversar, q.b. «Nada convem mais ao homem do que o seu semelhante.» Vasco
blogs SAPO
subscrever feeds